sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Não Fui Eu.

Por Leonardo Antonio Pertuzzatti (6º período)

O Sr. Astrogildo já era velho. Cerca de 70 anos. Cabelo quase todo branco. Apenas algumas mechas grisalhas ainda restavam na sua cabeça enrugada. A expressão facial era de eterna amargura. Os dentes protéticos cerrados, pressionados uns contra os outros. Sobrancelhas rancorosamente franzidas, desde que sua estimada esposa faleceu. “Culpa de um maldito publicitário”, dizia ele. Sempre que podia, o velho protestava sacudindo sua bengala no ar, com seja lá quem fosse. Não importava. Ele bradava cuspindo e forçando sua voz idosa: “Malditos sejam, aqueles publicitários! Eles tiraram a Giorgina de mim! Com aqueles inescrupulosos anúncios oportunistas! Corja imunda de tiranos agiotas e egoístas capitalistas! Boçais!”.

Apesar do Sr. Astrogildo ter motivos para pensar assim a respeito de publicitários, existe um grande número de pessoas que compartilham da mesma opinião, porém, devido à mais pura ignorância e imperícia.

Vejamos...
Tirania.
Do grego tyrannia, que significa “senhoria absoluta”. Substantivo feminino, cujos sinônimos são: domínio ou poder de tirano; governo opressor e cruel; poder soberano usurpado e ilegal; opressão; despotismo; barbaridade; violência; entre outros.

Publicitários não são tiranos. Eles não obrigam ninguém a ver seus anúncios, e muito menos a comprar produtos ou ter boas impressões sobre determinada empresa. Não são bárbaros nem violentos. Pelo menos não ainda. Nunca ouvi falar de um publicitário mascarado invadindo a casa de uma família de classe-média, apontar um 38 pra cabeça do filhinho de 6 anos e dizer: “BEBA COCA-COLA!”. Publicitário só avisa. Anuncia. Divulga. E muitas vezes, de forma sutil e inteligente.

Oportunismo.
Substantivo masculino depreciativo, que faz referência à atitude de transigência para com as circunstâncias ou de acomodação a elas; aproveitamento das situações de modo a chegar mais facilmente a um resultado favorável.

Publicitários não são oportunistas. Pelo contrário. Eles é que são requisitados pelas pessoas. Porque as pessoas precisam de publicidade. As empresas precisam de publicidade. O mundo precisa de publicidade. E alguém precisa fazer o trabalho todo, planejar e propagar uma idéia, conceito, produto, imagem, etc. de forma rápida e eficiente. Publicitário só ganha dinheiro fazendo algo que os profissionais dos outros ramos não tem competência pra fazer.

Agiotagem.
Do francês agiotage. Substantivo feminino, significa usura, especulação ilícita; comércio usurário.
Publicitários não são agiotas. Eles são investidores. Após um extenso planejamento, eles aplicam o dinheiro do seu cliente em campanhas publicitárias que, se feitas da forma correta, acarretarão em lucros, tanto para a empresa quanto para a agência. Existe uma série de leis que regula e julga todo processo financeiro. Nada mais é que um negócio como qualquer outro. “Jãst bízines”.

Egoísmo.
Do latim ego, que significa “eu”. Substantivo masculino, referente ao amor próprio excessivo, que leva o indivíduo a olhar unicamente para os seus interesses em detrimento dos alheios.
Publicitários não são egoístas. Não existe espaço pra egoísmo na publicidade. Ela é uma atividade em grupo. Não tem como uma única pessoa fazer tudo ao mesmo tempo. Por isso existem os departamentos de atendimento, planejamento, mídia, criação, etc. Além disso, em cada um desses departamentos, há grande interação entre indivíduos. E quando uma campanha é um sucesso, não existe UM responsável. TODOS são.

Capitalismo.
Substantivo masculino, é o regime econômico e social caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e de distribuição, pela liberdade dos capitalistas para gerir os seus bens no sentido da obtenção de lucro, e pela influência dos detentores do capital sobre o poder político. Isso não tem como discutir. Esse é o sistema onde a gente vive. Não gosta, vai pra China.

finalmente...
Boçal.
Adjetivo. 2 gêneros. Estúpido, rude, inculto, grosseiro.
Bem... Alguns são isso mesmo. Ou até piores. Mas não dá pra exterminar o galinheiro inteiro por causa de alguns ovos podres. Maus profissionais existem qualquer ramo. Cá entre nós, publicitário até que é um povo bem divertido. Ruim mesmo são os políticos.
Quem não guarda lá no cantinho do coração aquela propaganda cheia de intensidade e emoção, que faz lembrar determinada situação que você viveu parecida? Ou aquela propaganda que só de lembrar, já começa a dar gargalhadas? Ou ainda aquela que fez refletir?

Para o Sr. Astrogildo, publicidade sempre será algo negativo. Afinal, foi assistindo a um comercial de TV dos depiladores a laser Valmorex que sua amada Giorgina se interessou pelo produto, comprou-o no mesmo dia, e morreu eletrocutada na banheira enquanto se depilava, apesar dos insistentes e claros anúncios durante o comercial para não deixar o aparelho elétrico perto de fontes de água. Como é difícil demais o Sr. Astrogildo se culpar por ter tido preguiça e preferir brincar com o gato de estimação do casal a ler as instruções no manual do sensacional depilador a laser Valmorex... ele culpa os malditos publicitários.

É sempre assim.
Deu merda?Bota a culpa no publicitário. Eles ganham montanhas de dinheiro pra isso mesmo.

5 comentários:

Bruna_fb disse...

Adorei.
e BEBA COCA-COLA!

Tiago disse...

Tb gostei do texto.
Azar para quem pensa isso, o mundo e assim e os publicitarios so extão dentro dele.

Jana disse...

De vez em quando é bom ver alguém tomando a defesa da categoria. E isso não significa que às vezes não mereçamos críticas... Mas não dá para transformar o publicitário de hoje nos RAVs de ontem (ver filme "Obrigado por fumar!"). O texto do Leonardo é, além de tudo, divertido.

Mariel disse...

nossa, muito bom esse texto!
expressa tudo o que os publicitários pensam mais que não tinham coragem, ou não sabiam como dizer! Obrigada :)

.:LEO:. disse...

De nada.
=]

Compartilhe

Share |