quinta-feira, 8 de novembro de 2007

A publicidade mudou. Os publicitários, nem tanto.

Estou em São Paulo participando do II Encontro ESPM de Comunicação e Marketing, onde vim apresentar o artigo "Advergame: diversão em forma de publicidade". Coincidentemente, a exemplo do Seminário Internacional de Comunicação que acontece nesta mesma semana em Porto Alegre - RS, a sociedade do espetáculo é a pauta principal dos debates. A cada palestra, um consenso: a publicidade mudou. Mídia digital é a grande vedete. Mas ninguém aqui fala dos "velhos" banners. O que se quer é que o consumidor tenha EXPERIÊNCIAS com as marcas. Branding, buzz, redes sociais, consumer generated media (CGM), spoof, mashup, plinking, downloadvertising, podcast, marketing de guerrilha e split screen, entre outros termos, não são futuro: são realidade. Impressiona o fato de que o Brasil ainda engatinha em formatos para mobile, mesmo com 112 milhões de celulares tupiniquins habilitados, e TV digital, apesar de seus 10 anos de atraso na implantação. Poucas são as contribuições neste sentido, tanto acadêmicas, quanto do mercado. Mas fiquei chocada mesmo com o que ouvi ontem de dois publicitários de grandes agências. Transcrevendo literalmente suas frases, "Second Life é uma bosta" e "propaganda no celular é só SMS". Isso só demonstra a minha teoria de que o mercado publicitário pouco ou nada conhece de novas tecnologias além do trivial na Internet. Repudiam os famigerados 30" na TV, mas continuam falando em Cannes e afins. Concordo com estes mesmos publicitários quando afirmam que, ao contrário da internet, a linguagem de outros suportes digitais ainda está em construção. Mas como definir a linguagem ideal para atingir o consumidor nestes suportes sem começar e ousar? Eis o desafio de quem quer entrar/se manter no mercado. Como lembrou o Prof. Vinícius Andrade Pereira (ESPM) sobre um grafite num dos muros da cidade, "se você não está confuso, você está mal informado".

7 comentários:

Mariel disse...

Realmente, essa era digital é muito confusa, mas alguém tem que tomar frente e ousar...e feliz deste.

romeu disse...

Eu acho que cada vez mais a publicidade vai ser tomada por meios digital! Acho complicado um publicitário dizer que o Second Life é uma bosta se várias marcas no mundo inteiro estão tendo retornos exorbitantes com as acões feitas lá dentro (Armani acabou de criar uma loja lá dentro e com todas as peças a venda de verdade).

Sei lá, ele deve estar bem enganados ou os numeros de retorno das empresas podem estar sendo manipulados, oque eu acho bem dificil. E tipo, não precisamos ir muito longe em questão de bom uso do Second Life: aqui no brasil o IG já fez eventos lá dentro e foi muito bem recebido.

Sobre os videos de 30 segundos, eu penso que eles ao invés de serem transmitidos na TV vão ser colocados propositalmente nos YouTubes, Daily Motions e sites de videos e etc. Acho que vai ser muito mais viral daqui pra frente. O povo gosta de fazer parte das coisas e a interatividade também vai ser um ponto muito alto dentro das ações (pelo menos é oq eu penso pro futuro tomando como exemplo oque ja vem acontecendo a tempos). Exemplo o ultimo anuncio da Apple pro iPod Touch: eles usaram um video criado por um jovem de 18 anos pra desenvolver o video da campanha. E também, será que Cannes é realmente o maior objetivo de tudo? Tudo precisa ser criado pra concorrer em Cannes? Num sei...

Acho que aqui no Brasil nós precisamos de uma nova geração de publicitarios e etc. Mais jovem, mais cabeça aberta, com mais frescor, e com experiencias digitais, sem duvida nenhuma hahaha.

Ai, falei demais = comentário grande. E desculpa ai se falei alguma besteira... HAHAHA

Adorei o post!

Bruna_fb disse...

Não é de hoje que vemos o meio digital proliferar de forma mto mais barata e rápida que os meios convencionais.
Os vts são propositalmente liberados em youtube e afins com cada vez mais freqüência (como já disse o romeu). Um exemplo é o vídeo de Giorgio Armani, com a Beyoncé.
É surpreendente ver dois publicitários 'importantes' falando tais coisas, mas não é a primeira vez que presenciamos situações do estilo (mta gente reclamou do fest´up).
O lado bom é que parece que estamos no caminho certo por aqui, trabalhando sempre com idéias novas e mutáveis para o crescimento profissional e, consequentemente, do mercado.

Ale Carvalho disse...

Sem dúvida que o meio digital é "tendência". Porém, só pra gente lembrar, no Brasil o meio mais consumido ainda é a TV. E o lance do 2Life ser uma bosta. Ele não está tão errado assim, já que pelo que tenho lido, o ambiente está em decadência... não pegou muito bem, não. Enfim, a linguagem digital como disse alguém aí está sim cada vez mais sendo usada para fazer ponte com os impressos (haja vista campanha do Guaraná Antarctica com a Abril) e também entre internet e TV, se não me engano o Axe fez algo assim. E por aí vai, com buzz e tudo mais pra coisa pegar.

Guilherme Tsubota disse...

Pessoal, trabalho com mídias digitais desde 1996, sempre com projetos inovadores de convergência digital. Diria que o mundo digital deixou de ser tendência para ser realidade, porém ainda em estágio inicial.

Diria que a internet começou seu amadurecimento comercial em 2002 no Brasil. São apenas 5 anos, frente às decadas das emissoras de televisão. Vejam bem, pessoas que hoje têm 18 anos cresceram na era digital!

Muito tem por vir.

Sobre o Second Life, posso afirmar com propriedade e conhecimento de causa que o metaverso cresce a cada mês em passos consideráveis, e o seu modelo de negócio está amadurecendo. Quem não percebe isso, ou tenta manipular a mídia para o inverso, está cego frente a essa evolução da web 3.0.

Abraços,

Guilherme Tsubota
Kaizen Games - Second Life.

Ale -Lain disse...

Trouxe um link dos que eu li, que acaba trazendo mais e mais links. Apenas falando sobre Metaversos e o hype
http://ecodigital.blogspot.com/2007/08/metaversos-o-hype-bolha-e-o-futuro.html

Ale -Lain disse...

Vai o link do último post só que agora inteiro. http://tinyurl.com/3b3had

Compartilhe

Share |